segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Histórias Picantes 9

Vários donos

Nossa, essa praia é muito freqüentada por surfistas, como o meu marido, ele é apaixonado por ondas, desde o nosso namoro ele freqüenta praias que oferecem este esporte. Enquanto meu marido ficava horas pegando ondas eu aproveitava para me bronzear e fazer amizades com outros surfistas, e foi no segundo dia que conheci uma galera, que haviam alugado uma mansão próximo á pousada que nos hospedamos.


O pessoal era muito animados e também bonitos, eram cinco no total. Bebiam muito e logo fizeram amizade com a gente que também adorava tomar todas as cervejas que estiver a seu alcance. Nesta noite, eles nos convidaram para uma festa que iriam dar em homenagem a um amigo do grupo que estava aniversariando. Depois das dez chegamos à mansão onde estava rolando o maior som e muita bebida. A festa estava super animada e tinha muita gente bonita. A gente logo se enturmou com o pessoal e ficamos bebendo e dançando a noite toda. As bebidas servidas eram muito variadas e algum tempo depois meu marido começou a passar mal por misturar muitas delas.

Chegou ao estado de ser carregado para a pousada, mas o pessoal insistiu para que eu retornasse a festa, pois a mulherada estava escaceando e tinha muita noite ainda para ser aproveitada. Como ele estava desacordado, resolvi seguir para a festa... Foda-se! Isso que dá tomar todas... Bem feito! Eu estava com a corda toda, bem animada e comecei a beber uma mistura de menta com vodca, como a bebida era doce, demorou um pouco para fazer efeito porque eu estava dançando muito. Adivinha... Num determinado já estava bem louca. Não tinha mais ciente dos meus atos e foi justamente quando sobrou só eu e os cinco rapazes que perdi as estribeiras, hora dançava com um, hora outro vinha por trás fazendo um sanduíche, me agarravam com força, esfregando seus corpos no meu... Delícia! Aquilo foi ficando gostoso demais... Nem pensava mais em nada, estava tão bêbada que nem me importava quando os rapazes começaram a me beijar na boca e passar a mão na minha bunda, seios e na buceta.

Aquela brincadeira começou a ficar cada vez mais louca quando percebi que todos estavam sem roupas e começaram a pedir pra eu fazer um strip-tease.

Como já não raciocinava mais, cai no embalo... Uhhuuu!!!! Comecei a tira a roupa peça por peça... Só vi minha calcinha na cabeça de um... Como estava quente! Começamos de novo as danças agarrados e comecei a sentir as rolas, hora cutucando minha bunda, hora minha barriga, então me lembro de colorem-me de quatro numa poltrona e fizeram uma fila para que chupasse todos aqueles paus. Fizeram uma filinha, assim que chupava um, ele já ia por trás de mim e começava a enfiar o pau na minha buceta. Delícia!

Tinha hora que chupava dois ao mesmo tempo, sempre com um me fudendo por trás. Sentia aquilo muito gostoso, passamos a várias posição, de franquinha com um cara muntado na minha boca, sempre chupando e sendo comida ao mesmo tempo... Você tem que experimentar, às vezes é muito bom perder a cabeça.

Não demorou muito para que uns começassem a gozar dentro da minha boca... Adoro engolir porra, fazer biquinho. Estava tão louca que aceitava numa boa... Acho que nunca comeram uma mina assim.

Depois de ter vários orgasmos e muita rola na buceta, estava me recompondo ainda quando eles comemoram... O aniversariante merece esse cuzinho! Como faço sexo anal com meu marido de boa, nem me importei, nem liguei para o tamanho das rolas. Me colocaram novamente de quatro e alguém começou a meter uns dedos para amaciar o caminho... Nem lembro direito, só senti pela gritaria que o aniversariante tava entrando no meu cú, na euforia de quatro, abri bem minha bundinha pra ele meter bem gostoso. Nossa, socou inteirinho no meu rabo de uma vez só, doeu muito na hora, mas não tinha como sair e outra era o Aniver, o jeito foi agüentar e continuar chupando os paus, então começaram novamente o rodízio, buceta, cuzinho, boca... Ufa! Gozei de novo. Foi assim um tempão, era muito gostoso ver eles na fila punhetando, ficava ainda com mais tesão, ele quase não conseguiam segurar até chegar a vez de comer meu cú. Tinha uns de tão bêbado que não conseguiam achar o buraquinho sem minha ajuda, uns faziam o movimento bem gostoso de vai e vem, outros porém, eram brutos, socavam o pau com muita força... Via estrelas. Às vezes tiravam e voltavam a socar de uma só vez. Meu cuzinho ficou bem arrombada... Quase cabia minha mão dentro. Já tinha perdido todos os escrúpulos de uma mulher casada... Fode esse cú. Seus filhos da puta! Pedia para que fudessem o meu cú sem parar. Começaram então a fazer um DP, resolveram, um na buceta e outro no cú ao mesmo tempo. Delícia, acho que gozei de novo... Era uma fantasia do Aniver, fazer dupla penetração igual nos pornô, sentei com a buceta encaixada no pau de um rapaz que ficou deitado no tapete, enquanto outro veio por trás e com muita dificuldade, devido ao estado quase de coma alcoólico, meteu seu pau no meu cú. A pressão foi muito grande, mas logo os dois paus estavam, entrando e saindo da minha buceta e do meu cú, enquanto os outros colocavam seus paus na minha boca, assim que um saia do meu cú, outro vinha e atolava de novo. Não me restava mais forças, estava mesmo quase morta, então o Aniver me puxou e sentei no pau de costas frente... Entrou bem fundo no meu cú, ele me agarrou com força e um subiu nos meus ombros travando as pernas no sofá, então devagarinho um outro roludo foi forçando caminho também no meu cú, que de tão arrombado acomodou bem o segundo pau, que logo entrou fundo no meu cú, já era estava travada com dois paus dentro. Só me lembro de um cheiro muito forte... Era amoníaco, alguém passou no meu nariz... Nossa despertei na hora, acendi, meu corpo se contraiu inteiro... Agora senti os paus no meu cú, começaram freneticamente a me arrombar, como já tivessem feito isso muitas outras vezes... Como gritavam... Chegamos todos a muitos orgasmos até não restar mais nenhum queridinho. Antes do amanhecer, me levaram para a pousada onde meu marido continuava desmaiado de tanto beber.

Mais tarde, na praia, nos reunimos de novo e todos foram discretos e meu marido nada percebeu da suruba que rolou na mansão naquela madrugada.

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Historias Picantes 9

Não sei como tive coragem

Era uma quarta-feira ,estava muito calor e eu sem sono,ai o meu marido me convidou para sairmos e tirarmos umas fotos sexy pelas praças da cidade.Achei divertido e então falei para esperar eu trocar de roupa.Entrei no quarto e tomei um banho e raspei minha xaninha, coloquei uma micro calcinha preta e um vestidinho de alça branco transparente que o maridão achava uma tesão pois quando soltava as alcinhas os meus seios quase amostravam os bicos.Coloquei uma sandália branca de salto bem alto e com tiras de brilhantes para compensar os meus 1,50 mts pois sou baixinha e peso 48 kgs e 300ml de silicone nos meus seios,fiz uma maquiagem bem pesada que fiquei irreconhecível parecia uma putinha,rs.Quando sai do quarto o meu marido ficou de boca aberta e disse nossa amor como vc está gostosa,pegou a camera e saimos.Passamos num bar e compramos uma cervejinha gelada e quando iamos saindo os olhos dos homens me comiam dentro daquele vestidinho curtinho mostrando as minhas coxas, minhas curvas e a calcinha preta e eu me fresqueava mais ainda.Saimos rindo do bar e passamos da meia noite tirando fotos de todos angulos com e sem roupa,teve uma hora que eu estava peladinha na praça quando nos surpreendemos com um carro vindo em nossa direção o meu marido falou para que não me apavorasse que eu me debrussasse na janela do carro e ele entrou e quando o carro se aproximou eu fiquei gelada e fiz como ele disse e os rapazes do carro passaram e me chamaram de tesão e gostosa.Nossa a adrenalina foi a mil e quase gozei de medo e excitação peladinha na rua.O meu marido falou que eles confundiram com uma putinha e eu ri e até gostei.Entramos no carro e coloquei a roupa tremendo tomei uns goles de cerveja e a esta altura já estava toda molhadinha e quente.Demos umas voltas e ja passava de 1:00hr da manhã achamos um bar e sinuca aberto.Entramos para tomar uma cerveja,notei que tinha um jovem de uns 24 anos e um senhor grisalho alto de uns 45 anos jogando sinuca e um barman de de mais ou menos 20 anos.Quando os homens me viram chegaram a parar de jogar,depois disfarçaram e continuaram mas não tiravam os olhos das minhas pernas bem torneadas com as coxas de fora , perfeitas e morena clara.Meu marido notou que eu estava me exibindo para os caras e sorriu como se estivesse gostando.Conversamos um pouco e bebemos e aquele clima de olhares foi mexendo com o meu ego e vaidade.Eu já estava meia alegrinha devido a cerveja o meu Marido perguntou se eu teria coragem de tirar fotos nua ali.Fiquei vermelha e excitada mas mexeu com meu orgulho e eu disse que sim e perguntei: voce deve estar brincando? Pois fizemos 30 anos de casados e eu já estou com mais de 45 anos mais tudo em cima é claro.Ele perguntou se eu me garantia eu de imediato disse sim.Mas achei que fosse tudo brincadeira,quando para minha surpresa ele se levantou e foi conversar com o barman em separado e vi quando o mesmo balançou a cabeça como se dissesse sim,meu marido olhou para mim e sorriu e foi até a mesa de sinuca e conversou com os dois homens e os mesmos tambem fizeram o mesmo sinal.O meu marido me pegou pela mão e me apresentou como Jenifer para cada um deles e perguntou na minha frente se eles manteriam a palavra de não fazer nada que me constrangesse ou contra a minha vontade,eles juraram que não fariam nada e isto me deixou super segura mas vermelha de vergonha.Tomei mais um gole de cerveja e meu marido me mandou simular uma tacada com o bumbum empinado e como nunca peguei um taco, o homem mais velho de nome julio encostou por tras e pegou a minha mão e me ensinou ,nisto o meu marido começou a fotografar. Quando o júlio encostou em mim senti a saliva descer seca de medo e tesão.Depois fiz varias poses e como o meu vestidinho era curto cada tacada que eu dava as bochechinhas redondinhas da minha bundinha ficava a amostra e os homens ficavam cada vez mais excitados e sorriam direto foi quando o meu marido pediu para o barman se não podia fechar a porta e ele concordou pois ja era muito tarde.Quando fechou a porta eu fiquei mais segura e solta.Meu marido pediu para ele se tinha um pano para por na mesa imediatamente o barman pegou uma napa vermelha e cobriu parte da mesa em seguida me colocaram sobre a mesa fiz varias poses sexuais inclusive ficar de quatro mostrando as calcinhas para aqueles homens que nem falavam mais nada .Toda hora esfregavam a mão ajeitando os seus membros que não escondiam mais os volumes acentuados o que me deixava muito vaidosa. Ai me desceram da mesa e tiramos varias fotos por mais de 30 min. E eu fui ficando intima e relaxada com os tres.Então meu marido mandou eu pegar o taco e encostar de frente na mesa e passar o giz e coxixou com o júlio e o mais novo de nome luiz e eles chegaram do meu lado e enquanto batia as foto o julio baixou a alcinha do meu vestido que ficou quase aparecendo o bico do seio,continuamos a bater as fotos e o Luiz me ofereceu um gole de cerveja e quando coloquei o copo na boca ele abaixou a outra alcinha. Fiquei vermelha de vergonha e ao mesmo tempo cheia de tesão não sei como explicar mas eu estava adorando tudo,me pegaram e colocaram sobre a mesa e colocaram uma musica black bem lenta e gostosa e me pediram para dançar e eu olhei para o meu marido e ele concordou.Eu já bem fresca e me sentindo a gostosa,Comecei meia sem graça e dura a fazer alguns movimentos acompanhando a batida daquela musica e começou a subir um calor no corpo todo com os seios quase de fora e toda arrepiada e eles começaram a pedir para abaixar o vestidinho e eu comecei a rebolar e devagarzinho fui baixando e quando meus seios ficaram a amostra eles ficaram doidos,eu adorei ver os olhos deles me chupando os seios como se me devorassem .Eu fui ficando cada vez mais excitada e toda meladinha desci lentamente todo vestido ficando só de calcinha e comecei a rebolar como uma fresca e eles pedindo mais ,mais ,mais ,olhei pro meu marido e ele sorriu dando sinal verde e eu já louquinha de tesão comecei a baixar a calcinha e levantava de novo pois faltava coragem e eles suspiravam cada vez que eu ameaçava tirar a calcinha que a esta altura ja estava toda enfiada na minha xaninha e eu já louca pra me amostrar, aí o barman me deu um copo de cerveja e eu olhava para eles e mordiam e passavam a língua nos lábios como se desejassem me tocar e me chamavam de gostosinha ,tesão,delícia e eu fui tomando gosto me virei de costas para eles e fui baixando a calcinha lentamente eles ficaram mais loucos vendo a minha bundinha toda de fora e fui tirando tudo e fiquei peladinha e me virei com a xaninha raspadinha toda a amostra e comecei a passar as mãos no meio das minhas pernas e esfregava as minhas nadegas e fui esquentando não sei como tive coragem e passava os dedo na minha xaninha feito uma taradinha e me achava deliciosa assim rebolando toda meladinha diante daqueles tres homens estranhos até acabar a musica e eles me aplaudiram e me elogiaram que me senti uma rainha. Então meu marido mandou deitar na mesa e me fotografou em varios angulos mas o mais dificil foi quando fiquei de quatro com a bundinha arrebitada virada para os quatro com a minha bucetinha arreganhadinha,senti um arrepio e a minha xaninha umedeceu inteirinha.Depois de varias fotos inclusive sentada nos colinhos deles coloquei o meu vestidinho e o meu marido guardou a minha calcinha no bolso.Estava pronta pra sair dali quando o meu marido foi lá e agradeceu o cavalheirismo deles e conversou baixinho com eles e eu fiquei curiosa pois não consegui escutar.Quando estavamos para sair o Luiz me pediu uma coisa para guardar de lembrança devido ao respeito que eles tiveram por mim.Eu respondi que dependia do pedido e ele me pediu para dar um beijinho na minha xaninha eu me arrepiei toda e fiquei cheia de tesão e olhei para o meu marido e ele falou que se eu me garantisse,tudo bem ,eu louca e curiosa para sentir a boca na minha xaninha e toda vaidosa concordei.Nossa que loucura que eu fiz , o luiz chegou perto de mim e eu levantei o vestidinho separei um pouquinho as minhas pernas e o meu marido fotografando tudo, ele se abaixou e beijou bem no meu grelinho soltei um gemido e enfiou toda a lingua na minha xana e me chupou que parecia que ia me engolir e eu gozei facil pois estava toda meladinha e num esforço brutal arranquei a cabeça dele do meio da minhas pernas e sorri e disse bem fresca que o acordo era só pra beijar .Chegou a vez do barman o mais novinho se baixou e beijou a minha xaninha e se aproveitou e chupou como um louquinho e eu gozei de novo até empurrei a xaninha para frente e sem muitas forças arranquei aquela linguinha gostosa de dentro de mim gemendo de tesão e quiz desistir mas o júlio pediu por favor que ele não se aproveitaria da minha fraqueza e eu ja não me controlava mais e louca de tesão concordei e olhei para o meu marido que sorriu pois estava excitado com as fotos.Foi quando levantei outra vez o meu vestinho como uma putinha oferecida e abri mais as pernas e o júlio me agarrou nas bochechas da minha bunda cravando as unhas colocou aquela linguona na minha xana quase desmaiei e ele começou a chupar com força e eu puxei a cabeça dele contra a minha xaninha olhei e sorri assanhada para os outros dois e eles vieram e começaram me chupar e tiraram o meu vestidinho de novo e um ficou atras acariciando a minha bundinha,o Luiz me chupando os seios e o júlio engolindo a minha xaninha toda e comecei a gozar alucinada sem perceber o barman me pegou pela cintura elogiou o meu bumbum e começou a me penetrar no meu cuzinho eu não aguentava mais quando o barman gozou no meu rabinho foi ai que o luiz de 25 anos tambem fez o mesmo,vestiu aquele talo grosso e tambem me comeu o rabinho parecia que ia me rasgar toda com aquele talo dentro de mim inteirinho não aguentei e comecei a mexer com força e rebolar de tesão com as mãos dele agarradas na minhas bochechinas redondinhas abrindo o meu reguinho empinado facilitando a penetração e ele gozou todinho no meu rabinho esgaçado e eu já estava com as pernas bambas quando o júlio se levantou e largando a minha xaninha e desceu a calça e a cueca , quando vi aquela vara enorme e dura e me agarrou pelas ancas e eu quis desistir mas já toda molhadinha abri as pernas ele enfiou aquela vara toda na minha bucetinha, eu dei um grito de dor e tesão e ele me pendurou no colo contra a parede e mexia com muita força e me fez gozar que nem uma cachorra engatada e rebolando louca de tesão gozei inteirinha e senti aquela vara jorrar dentro de mim que deu até um calor e quando tirou aquele tarugo de dentro da minha xana melou toda as minhas pernas e eles sorriam e continuaram os elogios e eu pedi um pano e limpei as pernas vesti o meu vestidinho amassado e toda satisfeita dei um beijinho de cada ,peguei uma cervejinha e eu e meu marido saimos.Eu mau conseguia andar com as pernas bambas .Meu marido olhou pra mim e disse ainda não acabou falta a minha vez amor e eu disse peça o que voce quizer que a tua putinha realiza.Ele ligou o carro e no meio de uma rua semi deserta parou e disse: tira o teu vestidinho minha putinha gostosa e eu obedeci .Ele mandou eu andar nua pela calçada, os carros passavam e me chamavam de puta gostosa e de louca.Eu escondia o rosto e fui novamente ficando excitada toda peladinha a amostra na rua. Ele botou uma musica bem gostosa e mandou eu rebolar na frente dos faróis para ele e assim eu fiz dançando com as pernas abertas me oferecendo e rebolando gostosa e fui começando a ficar toda molhadinha e louca pra ser comida de novo quando ele me jogou no capô do carro e enfiou aquele pausão gostoso todo na minha xana e eu fiquei metade no capô e metade fora na vara dele e gozei varias vezes até que ele tambem gozou.Nos beijamos loucamente pelados na rua.Vestimos as roupas e fomos para casa .Já se passaram dois anos ,isto foi em 2006 eu nunca mais tive coragem de fazer esta loucura de novo, mesmo às vezes me masturbando só de pensar e o meu marido me incentivando,até aqui eu não tive coragem de fazer mais. Não sei de onde tirei coragem para fazer tudo isto.Tenho medo de fazer e não aguentar mais ficar sem aqueles beijos e aquelas línguas gostosas na minha xaninha, mas se eu fizer outra loucura voces saberão.beijos!

domingo, 22 de agosto de 2010

Pra fechar com chave de ouro o dia

Historias Picantes 8



Mais uma vez estou trabalhando, meu telefone toca, era a Luciana, dizendo que queria encontrar comigo pois tinha algo para me falar, e não podia ser por telefone.
Fiquei preocupado, porém, preferi não atencipar os fatos e esperei o momento de encontrá-la.

Às 14 horas, como combinado, nos encontramos num estacionamento de um shopping da cidade. Ela saiu do seu carro e se dirigiu ao meu, onde começamos a conversa, e para meu delírio e tesão imediato, ela me disse que não falou por telefone por causa do marido, mas tinha uma amiga casada (que vamos chamar de Jéssica) do condomínio onde morava, que queria transar com um casal, mas a Luciana não queria que seu marido participasse, e que eu tinha sido o escolhido. Aceitei de imediato claro, fiquei excitado, ela percebendo me chamou de safado, de tarado e começou a alisar meu pau por cima da calça, e me pediu: "tira esse carro daqui, vamos passear um pouco". Coloquei o carro em movimento em direção a praia, e de imediato, ela tirou meu pau e começou a punhetar, dizendo coisas que me deixavam maluco: "Safado gostoso, vou punhetar até vc gozar, deixa seu leitinho melar minha mão deixa, goza pensando que vc vai fuder duas casadinhas safadas, vamos te matar de tanto gozar..." Não preciso dizer que enquanto isso fazia caras e bocas, gemidos e susurros safados, não demorou e gozei, deixando minha porra nas suas mãos, que de imediato levou até a boca e limpou todos os dedos, como se fosse um gato se limpando. Voltamos até o estacionamento, ela entrou no seu carro e deixamos marcado para dois dias depois.

No dia marcado, uma quinta, nos encontramos no local marcado, ela veio no carro da amiga, as duas desceram, nos apresentamos e fomos conversar um pouco, num restaurante do mesmo shopping de antes.

A Jéssica era uma mulher normal, 29 anos, casamento de 8 anos, filhos, vida social, porém, seu marido não a seguia mais no seus desejos, seu tesão, suas vontades sexuais, e após confissões de amigas, a Luciana confessou tudo que fazia, despertando sua curiosidade e tesão, mas seu marido não topava, e ela resolveu seguir seus instintos sexuais.

Morena clara, cabelos e olhos negros, pouco acima do peso, cintura fina, bunda grade e quadris largos, além de um belo par de coxas, que ficaram amostra no vestido que usava.

Enquanto conversávamos sobre nossos desejos sexuais, ficou nítido o tesão em todos nós e eu já estava louco pra sair dali, queria muito ter aquela mulher casada pra mim, pois sua imagem de mulher respeitosa e mãe de família me deixava louco, imaginando que por baixo disso se escondia uma mulher tarada e safada.

Saímos do shopping em direção ao carro da Jéssica, onde para minha surpresa, ela pediu pra Luciana dirigir, e me fez companhia no banco de trás. Antes mesmo de Luciana arrancar o carro, já estávamos nos amassando no banco de trás. Carícias mais ousadas iam esquentando cada vez mais. Não aguentei com o beijo molhado e cheio de tesão daquela mulher, afastei ela um pouco, observei seus seios médios, baixei as alças do vestido e começeu a sugar seus seios que tinha uma marquinha de biquini deliciosa. Reversava entre um seio e outro, mamando, sugando, mordendo, enquanto minnha mão já percorria toda sua xana, molhadinha com tudo aquilo. Dedilhava seu grelinho durinho de tesão e por vezes enfiava dois dedos até o fundo, arrancando gritinhos abafados e gemidos de prazer. Foi aí que ela me pediu: "aiii...chupa minha buceta cachorro...me lambe toda...devora a buceta que o cornão não quer...vai safado, seu puto, cachorro...". Confesso que uma mulher pedindo pra ser chupada, e ainda por cima me xingando me tira do sério, me transformo em puro tesão, um verdadeiro animal, prestes a abater sua presa. Como era gostosa aquela buceta, eu chupava, lambia, enfiava minha língua, lambia o cuzinho daquela mulher, que gemia e me xingava o tempo todo, puxando meus cabelos e forçando minha cabeça contra sua xoxota. Ela dizia: " Lú, que macho safado é esse? Ai que chupada gostosa, que tarado, que cachorro...". A Luciana apenas balançou a cabeça em sinal positivo, e completou:" Aproveita, que daqui a pouco ela vai chupar a minha...quero gozar na boca desse vagabundo...".

Qual homem não ficaria maluco com uma situação dessas? O tesão era tanto que eu parecia que ia arrancar o grelo da Jéssica, que continuava gemendo, gritando, rebolando na minha cara, dizendo que queria gozar na minha boca, o que aconteceu logo depois, que a fez tremer e ficar toda arrepiada, parecendo que o bico dos seus seios iriam saltar para fora.

Chegamos em uma pousada aqui na orla da cidade. Luciana parou o carro na garagem do quarto, eu estava atrás do banco do motorista, o que me fez descer do mesmo lado que ela, enquanto a Jéssica descia pelo outro lado.

Quando desci do carro, mal fechei a porta, e fui empurrado contra a mesma, era a Luciana, que me disse:"fica queitinho que agora é minha vez". Ela se abaixou, abriu minha calça, baixou minha cueca e começou a chupar meu cacete, que tava tão duro que doía. Nesse momento a Jéssica veio ao meu lado e me tascou um beijo de tirar ou fôlego. Era uma sensação indescritível.

A Luciana subia e descia no meu pau, chupava a cabeça, dava leve mordidas, descia até o talo, lambia minhas bolas, colocava na boca, chupava, parecia que iria arrancar do meu corpo.

Neste mesmo momento, eu beijava a Jéssica, com uma mão acariciava seus seios, com a outra alisava sua bunda larga e seu cuzinho, arrancando suspiros de puro tesão daquela mulher. Toda aquela situação eu já não aguentava mais segurar meu gozo, anunciei o mesmo, e a Lú me disse: "goza amor, me dá leitinho quente, enche minha boca de porra, tô com saudades dela, vem....goza pra mim". Não resisti, e gozei tudo na boca daquela tarada que não deixou cair nada no chão, sugou tudo, deixando meu pau limpinho, e após terminar isso, levantou-se e foi em direção a boca da Jéssica, deu-lhe um beijo demorado, de língua, passando toda minha porra pra boca dela, que de imediato engoliu e lambeu a boca da Luciana, procurando o restinho que tinha...

Historias Picantes 7


Botando a mão na xaninha

Nunca fui amante do sexo. Depois que casei a primeira vez era aquele sexo trivial. Só que minhas fantasias rolavam na cabeça e nunca tive coragem de contar pro maridão. Pra se ter uma idéia, demorava a vida toda pra gozar. Descasei e depois de três anos casei de novo!! Não sei porque mas fui ficando cada vez mais tarada. Devagar fui falando das fantasias que tinha e aos poucos fomos realizando. Assistimos a muito filmes pornôs e na medida do possível fazemos algo igual. Certa vez ele chegou em casa com um pinto de silicone. Foi minha glória !! Pude fazer dupla penetração com um só homem. Que maravilha. Há alguns dias assistimos à um pornô que era só de mulheres. Tinha uma insasiável e a outra melecou bem a mão com creme e devagar foi enfiando a mão toda na boceta da outra. Gente, aquilo me deixou enlouquecida e ele percebeu o quanto aquela cena me excitou. Na mesma hora ele pegou nosso óleozinho, vestiu uma camisinha na mão, pediu para que eu abrisse minha boceta e me chupou até eu gozar. Depois, ainda com minha boceta bem aberta, ele jogou bastante óleo, e bezuntou sua mão com a camisinha. Foi brincando com meu clítoris, e quando estava bem louca, foi enfiando a mão dele bem devagar pra dentro da minha boceta. Quando começava a machucar, ele me chupava e ia empurrando a mão dele pra dentro. É uma sensação indiscritível. É tanto prazer, tanto tesão ... Enquanto a mão dele vai entrando na minha boceta, fico imaginando úm cara, com um pinto bem grosso querendo enfiar tudo em mim, e um outro cara falando "come essa vagabunda, enfia essa vara toda na boceta dela!" Olha, dá pra gozar uma porrada de vezes... Vocês deveriam tentar...

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Historia Picante 6

Ela sonhava com aquele cacetão
Fredy


Sempre que transávamos eu falava para ela imaginar o cacetão nela, e ela reclamava, mandava eu calar a boca, mordia meus lábios, mas se soltava e transava com tesão. Um dia perguntei se ela agüentaria aquela jeba na bucetinha e ela me falou que eu tava louco, que aquilo era anormal e que não tinha nada a ver, que eu não sabia de nada sobre o tesão dela. Um dia transando falei novamente para ela imaginar o cacetão e como ela falou que era muito grande, lhe falou que iria comprar um consolo grande para ela ir acostumando, meio não querendo ela deixou a entender que poderia comprar. Chegando o consolo ela reclamou, falou um monte, mas experimentou e quando eu fui enfiar mais ela pegou e começou a enfiar o consolo, falando que estava machucando ela, que tinha que ser devagar. Algumas vezes que transamos, ela usou o consolo e em outras vezes não, mas sempre sendo incentivada a imaginar o cacetão enfiando nela. No momento da transa, quando eu falava para ela imaginar o cacetão ela se soltava, gozava como louca e após quando eu perguntava se ela queria experimentar o cacetão realmente, ela falava que não, que nunca. Um dia ela veio com tamanho tesão para a cama e logo foi chupando meu pau coisa que ela não gosta muito de fazer, subiu e cavalgou como louca e após falou no meu ouvido hoje eu quero que você coma o meu cuzinho, fiquei até espantado, pois em vinte e dois anos de casados às raras vezes que eu comi o cú dela foi com muita insistência, quase implorando para ela me dar e agora ela pedia para comer o cuzinho. Ela mesma pegou a vaselina, lubrificou o cú, o meu pau e ajeitou tudo de forma a enfiar facilmente, controlando meu pau, ela colocou do modo que queria e após as primeiras estocadas, ficou de quatro na cama e deixou socar tudo, rebolando no meu pau, gozamos como loucos. Quando perguntei o porquê daquele tesão todo, ela não falou nada, apenas que deu vontade. Outro dia transando falei para ela imaginar o cacetão no rabinho dela e me mostrar como ela iria gemer com aquela jeba no rabo ela rebolou como louca e gemeu alto, perguntei o que ela diria para ele enquanto ele enfiava no seu rabo, e ela falou, com a voz rouca de tanto tesão, mete esse pauzão no meu rabo, enfia tudo, fode, me arromba... Mete tuuuudo... Descobri o porquê ela me deu o rabo com tanto gosto, sonhava com o cacetão no rabo. Demorou mas ela topou pelo menos conhecer de perto o cacetão, com a promessa de que só iria apalpar por sobre a calça. Chegando, após os cumprimentos, conversa vai, conversa vem ele pediu para ela dar uma apalpadinha meio sem graça ela começou a apalpar, apalpar, até que se ajoelhou na frente dele tirou o cacetão pra fora e começou uma gulosa estonteante, mal cabia na boca aquela cabeçona, mas ela chupou, lambeu, mordiscou, cada pedacinho, cada centímetro ela tirou a blusa e começou uma espanhola, abocanhando como podia o cacetão mamando no cacetão, ela abaixou suas calças, tirou a calcinha e mirou a ponta do cacete na xaninha e começou a sentar na hora que a ponta do cacete entrou na bucetinha ela deu um gemido longo e um suspiro enfiou a cabeçona e parou para acostumar era bem mais grossa que o consolo sete, foi sentando devagarinho, gemendo, suspirando, centímetro por centímetro, devagarinho até engolir todo o cacete, novamente suspirou fundo, parou e deixou acostumar começou a cavalgar bem devagar, aumentando o ritmo, urrando levantando e sentando quase que de uma vez naquela pintão que sumia na xaninha ela urrava, gemia, gritava, rebolava e sentava sentindo o cacete bem lá no fundo, gozou diversas vezes na cavalgada até desfalecer em cima daquele cacetão. Ela ficou alguns minutos só suspirando, foi quando ele levantou com o cacete na xana dela, segurou-a pelas costas e ela instintivamente passou as pernas pelas costas dele, nessa posição ele a levou para a cama e deitou sobre ela, fazendo um frango assado, ele socava fundo e com violência, ela urrando, chorando e quase sem voz pedindo para meter tudo, meter fundo, arrombar a buceta, ele tirava o cacete até a cabeça e enfiava tudo de novo com violência, o corpo dela estremecia a cada estocada, a cada enfiada um urro seguido de um suspiro fundo.

Depois de uns quinze minutos socando nessa posição ele urrou forte e gozou profundamente desfalecendo na cama ao lado dela. Os dois ficaram inertes por mais de 10 minutos, até que ela começou a chupar o cacete de novo, depois de várias sugadas e lambidas ele começou a dar sinal de vida de novo e quando estava novamente duro e ereto ela ficou de quatro e pediu para ele meter na xaninha por trás ele começou a colocar a jeba e ela gemeu, suspirou, ele enfiou devagarinho até o talo, quando ela com cara de transtornada virou para trás e pediu para ele bombar bem fundo e com força ele imediatamente começou a socar o mastro na xaninha com tamanha força que todo o corpo dela ia para frente, e ele jogava a xaninha de encontro ao mastro, ele socou fundo, bombou, e ela só gozando, urrando, com lágrimas a escorrer dos olhos a cada bombada, mas engolindo tudo até os dois novamente desfalecerem. Desta vez ficaram por mais de quinze minutos quase que dormindo, até que resolveram tomar um banho no chuveiro ela chegou a chupar o pau dele, mas ele falou que não agüentava mais. Terminado o banho voltaram para a cama e ela me falou: você queria saber por que te dei o cuzinho naquele dia com tanto tesão, pois agora vai saber, dito isso virou para ele e pediu: vem, vem me comer o cuzinho, vem e arromba também o cuzinho. Não bastou mais nada para ele ficar com o pau duro de novo, pegar um lubrificante e dar para ela lambuzar o cú e o pau dele após bem lambuzado ele ficou de quatro na cama, com os joelhos bem na ponta do colchão se abriu todo e falou para ele começar a enfiar. Ele colocou a cabeçona de oito centímetros no cuzinho apertado de minha esposa e começou a forçar, não entrava e ela gemia, mas a cabeça não passava, ela gemia alto e ele perguntou se ela queria desistir ela com a cara de tesão e dor gritou: não, enfia tudo, soca bem fundo no meu cú, me arromba logo seu viado que não guenta uma fêmea ele segurou o quadril dela e socou forte, um berro alto e sentido de dor saiu da boca dela aiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii, lágrima escorreram em abundância pela face dela, ele perguntou: quer que tire, e ela quase sem voz, num sussurro: soca tudo, enfia esse cacetão inteiro no meu rabo, segurando pelo quadril ele começou a empurrar com vigor os vinte e dois centímetros de comprimento naquele rabo, e ia rasgando, ela urrando, gemendo, chorando e ele enfiando, quando entrou tudo, ele parou para ela acostumar, ela se ajeitou melhor na cama e falou: pode socar arromba de uma vez ele começou a socar com força, tirando quase tudo e enfiando de novo, num movimento alucinante, incrível ver aquele cacetão entrar e sumir inteiro no cuzinho de minha esposa, que só gemia, chorava, urrava e falava palavras ininteligíveis. Depois de dez minutos nessa posição ele pegou ela e começou a girar, e ela gritando, virou-a de frente e pediu para ela colocar as pernas nas costas dele, ela colocou e novamente num frango assado, ele enfiou tudo no cuzinho minha esposa até explodir num gozo estridente e abundante naquele cuzinho todo arregaçado. Dormiram e depois de um banho fomos embora, ela mal podia sentar, pois ardia a xaninha e o cuzinho, ambos arrombados, mas ele estava feliz. Arrombada mas feliz.

Historia Picante 5

Tive que pagar a aposta

Mara

Nos reunimos sempre e certo dia, começamos a conversar sobre uma nova visinha, era uma morena linda, era alta e tinha lindas pernas. Minha irmã já iniciou a conversa me questionando se eu já tinha tido algum contato com a tal visinha, a qual eu nem mesmo sabia o nome, entre os vários assuntos relacionados à minha visinha, minha irmã comentou que ela deveria ser ótima na cama e que achava que ela, a visinha, parecia ser bem safada mesmo, na mesma hora, fui obrigada a contrariar minha irmã e disse que no meu ponto de vista, essa visinha era uma mulher correta e que não parecia, de forma alguma, ser realmente safada, de uma forma estranha e decidida, minha irmã me desafiou e disse que queria apostar comigo como a minha nova visinha não passava de uma vagabunda, eu concordei e questionei sobre qual seria a aposta e minha irmã disse... Quem perder, fica totalmente a disposição da outra por uma noite toda, sem nem mesmo poder questionar algo. Me deu um frio na barriga mas estava segura de que seria vencedora da aposta e topei, já em seguida, comecei a brincar com minha irmã e disse a ela que iria arrombar todos os seus buracos e que esse prêmio eu iria desfrutar de uma maneira muito proveitosa e que ela não teria o direito de falar nada, conforme foi previamente combinado nos próximos dias tentamos nos aproximar da nova visinha e minha irmã estava se tornando amiga dela em uma noite saímos para beber algo e convidamos a nova visinha para nos acompanhar, ela topou e naquela noite conversamos muito, nos contatos anteriores, eu tinha apenas descoberto o nome dela, que era ela e mais nenhuma informação eu tinha.

Sentamos para beber algo e a conversa começou pelo trabalho, depois falamos das cidades que morávamos, amigos, parentes e assim foi caminhando, logo a conversa chegou ao assunto de buscávamos e eu fiquei assuntada pela forma despreocupada que ela comentava o assunto na frente de duas mulheres praticamente desconhecidas depois de várias horas, muitas risadas e brincadeiras, chegamos a conclusão de que ela era realmente uma mulher muito safada, pois nos contou sobre relações que duraram noites inteiras, nos contou sobre o seu primeiro anal, o qual tinha acontecido a anos atrás e depois de tudo isso, contou também sobre algumas relações que tinha tido com outras mulheres, nessa hora, eu já estava mais do que preocupada, pois já tinha a certeza de que a aposta já estava perdida e eu via nos olhos de minha irmã que essa vitória dela seria bem aproveitada, pois já conhecia muito bem minha irmã, comentei que estava cansada e que iria embora, no mesmo instante as duas também já foram se levantando e fomos todas embora, no caminho de casa, fomos conversando e minha irmã ria bastante e comentava que quem iria arrombar buracos era ela e os buracos eram os meus, eu sem saber ao certo o que dizer, ria também e dizia para ela que conforme o combinado, tudo seria cumprido, minha irmã comentou comigo que iríamos ainda combinar dia e local e que isso eram apenas detalhes.

Alguns dias depois, marcamos então para a cobrança da dívida e o pagamento da mesma, quanto a local, deixei que fosse no meu pequeno apartamento, pois moro sozinha, na hora marcada minha irmã chegou e trazia junto com ela uma grande bolsa. Dentro da tal bolsa, tirou uma roupa e pediu para que eu vestisse, seguindo as regras, fiz exatamente o que ela me pediu, era uma saia que nem mesmo escondia a bunda e uma lingerie linda e um sapato de salto muito alto, peguei tudo e fui em direção ao quarto e minha irmã disse que era para mim me trocar na sala mesmo, sem questionar, tirei toda a minha roupa e minha irmã pediu para mim deixar ela dar um beijo na minha bunda, sem questionar, me aproximei dela que estava sentada no sofá e junto com o beijo ela passou fortemente um dedo no meu cú, senti que o dedo estava bem lubrificado e quando olhei para trás, ela estava fechando aquele mesmo frasco amarelo que eu já conhecia bem. Lembrei do que aquele líquido tinha causado em mim quando foi usado na outra vez e sabia que calor e ardência eu sentiria em minutos. Não falei nada, pois estava achando tudo aquilo muito interessante e depois que eu estava com a roupa toda trocada, vestida do jeito que minha irmã pediu... Só um instante. Ligou do seu celular e com poucas palavras... Está tudo pronto. Pode entrar! Nesse instante a porta do meu apartamento se abriu e ela entrou. Nos cumprimentou e perguntou se poderia participar da festa e minha irmã disse, você é a única convidada. Eu já estava toda molhada e sabia que seria uma maravilhosa noite.

Ela perguntou para minha irmã se ela tinha trazido o que tinha prometido e minha irmã abriu a bolsa... Está tudo aqui. Ela se aproximou de mim e após um beijo de língua na minha boca... Não vai doer tá, seja uma boa menina. Isso me dava medo.

Então foi ao banheiro e minha irmã veio até mim e perguntou se eu estava gostando e disse que era para mim me preparar porque ela estava cheia de vontade de me fuder. sem tempo para pensar, ela saiu do banheiro e voltou para sala com uma roupa bem justa, parecida com a minha e nesse instante o meu cú já ardia demais e eu precisava enfiar algo nele para que isso parasse. Ela disse para mim que era para me preparar, pois meu cú seria arrombado... Podem fazer o que querem com ele. Esse é o combinado! Estou à disposição. Ela me agradeceu com outro beijo e pediu para ver minha bunda, ao empinar a bunda para o lado dela, levei um dedo no rabo sem pensar e já em seguida dois dedos. Ela ainda me colocava medo, sabia que com aquele tamanho todo, não seria fácil eu dar conta. Por alguns minutos ficou enfiando os dois dedos no meu cú comigo em pé na sua frente de pernas abertas sentindo meu cú aumentar de tamanho a cada dedada, minha irmã pediu licença e encheu meu rabo com aquele creme amarelo novamente. Sabia que aquilo me deixaria entregue... Ela comentou que meu rabo estava se dilatando de forma bastante interessante, disse que isso era bom demais. Pegou a bolsa de minha irmã e virou em cima da cama, de lá caíram muitos consolos, vibradores e plugs, alguns daqueles já eram meus conhecidos. Com meu cuzinho cheio de creme, ela pegou o menor dos plugs e enfiou sem dó, mas percebeu que aquele era muito fácil, já nem adiantava mais então pegou um maior. Agora sim, como esse começou a pressionar meu rabo... Me fodi... Me fodi! Estava cheio do creme amarelo, e fora de controle, topava qualquer pau.

Reparei que minha irmã até o momento não tinha ainda participado da brincadeira... Você não quer comer meu rabo hoje? Com uma risadinha... Daqui a pouco vai chegar a minha vez. Logo ela vestiu uma cinta com um consolo, e veio com tudo pra cima de mim, me deitou de rabo para cima no tapete da sala e meteu na minha bundinha bem gostoso... Como viu que estava amando continuou com o máximo de força que conseguia, dava estocada sem parar para respirar... Adoro! Agarrava meus cabelos e chamava todos os nomes que você pode imaginar. Meu cú mais uma vez tava sendo arrombado de forma descontrolada... Adoro! Gozar de forma inexplicável...

Enquanto metia no meu cú sem parar, ela mandou minha irmã meter um na minha buceta, prontamente minha irmã pegou um consolo de tamanho médio e na minha frente começou a lubrificar o mesmo, eu embaixo da ela, sem força para sair, levando na bundinha, sem poder fazer nada e vendo minha irmã preparar mais um consolo para meter me mim, isso tudo me deixava ainda mais e mais louca, só queria mais e mais... Delícia! Ela pediu para eu apoiar os braços em cima do sofá e nessa posição ela metia acelerada e minha irmã ganhou espaço para fuder minha buceta com aquele pau de borracha. Ela me segurava forte, tinha uma energia que me deixava assustada e cheia de tesão, meus cabelos estavam sempre presos as mãos de ela e de forma intercalada, minha irmã se aproximava e dava tapas na minha cara, ela comentou que minha irmã tinha contado algumas das loucuras que já tínhamos feito, por isso estava fudendo meu rabo daquela forma, pois sabia que adorava levar no cú daquele jeito.

Eu fechava os olhos e ficava sentindo aquilo tudo me fuder e estava admirada com a energia de ela que estava no mesmo ritmo do início, mas meu cú já começava a doer muito. Depois de vinte minutos sem qualquer tipo de pausa, ela parou e disse que eu deveria respirar um pouco, pois era a vez de minha irmã me fuder gostos.

Quando olhei para minha irmã, ela estava com uma cinta também com um pinto de borracha, mas bem maior muito mais grosso do que aquele que tinha me surrado. Ela sentou no sofá e fazia carinho no meu rosto e eu de quatro no sofá tremia de medo. Minha irmã lubrificou mais um pouco meu cú e meteu sem dó algum aquele pau no meu rabo de uma vez... Fudia sem dó, nem mesmo perguntou se doía ou não... A dor era grande, mas o tesão maior ainda e minha irmã sabia que eu gostava... Gozei de duchinha dessa vez e ela não parava de fuder, logo já sem forças e sem pregas, pedi para minha irmã parar. Não agüentava mais, era muito grosso, meu rabo estava todo arrombado, mas minha irmã não parava e disse para eu calar a boca, esse tempo todo nossa amiga estava sentada no sofá só me observando como era puta de verdade. Novamente pedi para minha irmã parar, mas ela disse que era só o começo e então... Agora sim, bateu o desespero, pois iria me rasgar desse jeito. Foi quando ela deu um tapa na cara de minha irmã... Sua puta! Para de comer o rabo dessa vadia... Ela não agüenta mais. Tira essa cinta e me dá aqui, é minha vez de experimentar... Minha irmã tirou e deu para ela vestir, mandou minha irmã ficar de quatro na mesma posição que eu estava... Ufá! Deitei no chão em cima do tapete com o cú arrombado literalmente. Nesse momento ela metia em minha irmã com a mesma vontade que fui fudida anteriormente. Comeu gostoso minha irmã por uns vinte minutos, gritava de dor no cuzinho, levando sem dó também, agora sim sentia o que era bom.

Ela arrombou minha irmã e disse que era isso que nós duas merecíamos, chamou a gente de vagabundas e nos deixou deitadas ali juntas arrombadas no chão da sala.

Rindo e feliz, fomos tomar um delicioso banho juntas. Delícia!

Historia Picante 4

Lambuzadinha com chantilly

Karen

Sou morena, tenho um bumbum bem redondo, seios médios e uma cinturinha, de um ano pra cá meu marido teve alguns probleminhas, como ninguém é de ferro, certo dia venderam a casa vizinha a minha e depois da demolição chegaram os pedreiros para a obra, eram quatro, um senhor mais idoso que deve ser o mestre de obras e três serventes, dois na faixa dos trinta anos e um rapaz alto e forte, um negrão bem bonito de vinte e três anos.

Da janela do meu quarto eu tenho total visão do terreno e comecei a reparar no corpo daquele rapaz, ele vive sem camisa e ver seu corpo forte, definido e todo suado mexeu comigo. Como fico em casa sozinha, marido trabalhando e filhos na escola, sempre que podia arranjava desculpa para ir lá à obra vizinha, sempre caprichando no visual, umas roupas bem sensuais; calças e saias bem justas, blusas decotadas e com minha boquinha bem vermelha. Levava café para os pedreiros, bolo e ia pedindo pequenos favores, como trocar uma lâmpada, ou colocar um parafuso na parede. O problema é que o mestre de obras nunca mandava o mais novinho vir fazer as coisas na minha casa, ou era ele ou um dos outros dois que não me interessavam e quando nos encontrávamos, o mais novo me comia com os olhos e eu devolvia o olhar guloso. Um dia passei por ele na calçada e de imediato olhei para trás e o flagrei olhando para minha bunda, dei mais uns passos e derrubei um papel que segurava e dei aquela agachada, sei que ele ficou louco. No andamento da obra derrubaram o muro que separa os terrenos e daí eu passei a ver o meu pedreiro o tempo todo, comecei a andar de calcinha pela casa, ia no quintal de camisola, sabia que ele estava me espiando. Durante o dia os quatro trabalham e a noite só o mais novo ficava dormindo na obra. Numa quarta-feira meu marido e filhos decidiram ir ao estádio assistir ao jogo e eu pensei é hoje. Jantamos e meia hora depois foram os três para o jogo que começaria as dez, fui para quarto e me vesti para a guerra... Coloquei uma cinta-liga branca com uma calcinha fio dental e uma sandália bem alta, vesti meu roupão de banho, desliguei o botão do chuveiro e corri para o muro e chamei meu objeto de desejo... Ele apareceu só de bermudas e sem camisa, me perguntou em que ele podia ajudar e eu expliquei que o chuveiro devia ter queimado e que eu não sabia como resolver e que estava sozinha e que precisava de socorro. Ao ouvir que eu estava sozinha percebi um leve sorriso em seus lábios. Ele disse que iria por uma camisa, mas eu disse que não era preciso e ele maliciosamente me falou e se seu marido chega e me pega sem camisa dentro da sua casa, eu lhe lancei um olhar bem safado e disse que meu marido iria demorar umas 4 horas para chegar. Na hora ele tirou um dos tapumes que estavam servindo de muro e fomos para dentro da minha casa, eu na frente rebolando o máximo que podia, subindo a escada dei uma olhada para trás e ele estava secando minha bunda. Chegamos no banheiro e ele entrou no box e abriu o registro do chuveiro, a água saiu fria, ele olhou para cima e moveu o botão para quente e resolveu o problema do chuveiro. Mas faltava o meu problema, estávamos ali, eu e aquele homem jovem e musculoso, sem camisa, ele me disse; pronto posso ajudar em mais alguma coisa? Eu abri meu roupão e disse; se você quiser me ajudar em mais alguma coisa.... Ao me ver só de lingerie ele arregalou os olhos deu os dois passos que nos separavam e me puxou para junto dele e me beijou com força, sua língua invadiu minha boquinha e suas mãos apertavam minha bunda, ao me encostar em seu corpo senti seu pênis ir crescendo junto ao meu púbis. Comecei a gemer ali mesmo, ficamos ali uns dez minutos, se beijando como dois adolescentes. Suas mãos percorriam meu corpo e ele me virou de costas para ele, me enconchou, eu senti seu pinto duro na minha bunda e suas mão apertavam meus dois seios com força. Só de sentir aquele pinto duro como ferro na minha bunda eu já quase gozei. Peguei-o pela mão e levei-o para o quarto, tirei sua bermuda, ele ficou só de cuecas, mandei que ele ficasse quieto e comecei a me esfregar em seu corpo, tirei o sutiã e passei a esfregar meus peitos em suas pernas, ajoelhei-me na frente dele e comecei a alisar seu pau por cima da cueca e fiquei meio assusta com o tamanho, depois de alisar comecei a dar beijinhos e mordidinhas, por cima da cueca, minha intenção era tirar a cueca e chupar aquela rola, mas para meu espanto, me agarrou me jogou na cama, eu pedi calma e ele disse que já não dava mais para ter calma, ele abriu minhas pernas, puxou a calcinha para o lado, tirou a cueca e enfiou seu pau de uma vez na minha bucetinha, que já estava bem molhada, mas eu fiquei assustada com a forma bruta como ele estava estocando seu pau em mim. O meu tesão, misturado com o medo da situação e com o fato daquele pau ser pelo menos uns cinco centímetros maior e bem mais grosso que o do meu marido, me fizeram gozar logo e de forma como eu nunca havia feito.

Ele continuava a me comer com força, eu que nunca fui muito fã de papai-mamãe estava mudando de opinião, eu ainda estava molinha pelo gozo quando meu pedreiro gozou também. Ficamos uns dez minutos ali deitados, ele em cima de mim, percebi que seu pau continuava duro e sussurrei em seu ouvido se ele queria mais e ele disse que estava à disposição da patroa, mas queria que eu colocasse uma camisola vermelha curtinha que ele tinha me visto um dia desses. Falei para ele, fingindo indignação, então você fica me espiando? Ele respondeu, a senhora queria ser espiada, desde o primeiro dia percebi que a senhora queria se sentir fêmea com um macho de verdade, falei que meu marido era um macho de verdade, ele riu e disse que um macho de verdade não deixa sua fêmea no cio para outro macho, nem retruquei, fui colocar a camisola vermelha para meu macho, voltei, ele estava deitado no centro da cama com aquele caralho maravilhoso ainda duro, ele segurou e me ofereceu, vem acabar o trabalho que você estava fazendo com a boca. Obedeci fui de quatro, esfregando meus peitinhos desde seu pé até sua cara, ele segurou meus seios e lambeu os dois, depois mordeu os mamilos, fiquei louquinha, desci pelo seu corpo, chupando sua língua, seu pescoço, seu peito forte, lambi aquela barriga durinha e cheguei na sua virilha, comecei a lamber perto do seu pau, chupando a região do púbis, segurei seu pau com a mão e comecei a lamber da cabeça até as bolas, fazia isso bem devagar, fiz várias vezes, ele já não agüentando me mandou chupar, eu de novo obedeci e passei a mamar aquela pica com força, ele começou a gemer e falar que eu era muito gostosa e safada, sem perguntar se podia ele segurou minha cabeça com força e gozou na minha boca, eu nunca tinha deixado meu marido gozar na minha boca, mas meu marido perguntava se podia gozar e eu dizia que não, meu novo macho não pedia permissão como se eu fosse sua propriedade e ele fazia o que quisesse comigo, confesso que gostei e engoli toda a porra e ainda continuei a chupar e lamber ate ter limpado aquele pau todo com minha boca. Dessa vez “o mais novo” ficou derrubado, seu pau caiu e ele também, fui ate a cozinha e voltei com um spray de chantilly, espirrei naquele pau, que apesar de mole ainda era grande e comecei a comer o chantilly no cacete do rapaz, não demorou para eles dois despertarem, nada como ser roludo.

Perguntei se ele gostava de doce e ele disse que dependia de onde o doce fosse servido, passei chantilly nos peitos e meu negão caiu de boca, a sensação era ótima, aquele macho jovem me lambendo, deitei com as pernas abertas e passei o spray na vagina, ele começou a me chupar com gosto, ao sentir sua língua no clitóris quase gozei de novo, isso aconteceu quando ele enfiou dois dedos nela. Gemi e gozei gostoso na boca dele, ele então me virou de costas, passou chantilly em toda minha bunda e começou a comer o doce mordendo minha bunda inteira e os dois dedos continuavam lá na minha buceta, continuava a gemer como louca, nisso ele lambuzou meu cuzinho e enfiou a língua, ele começou a chupar meu cú com força e mandou que eu ficasse de quatro, apesar de estar com um pouco de receio devido ao tamanho da pica, obedeci, ele trouxe o pau ate minha cara e mandou que eu chupasse bem lambuzado, chupei com gosto, fechei os olhos e senti mais uma vez sua língua entrando no meu cuzinho, depois senti a língua ser substituída por um dedo que foi até o fundo do meu rabo e me fez soltar um gemido forte, ele tirou o dedo, segurou minhas ancas e encostou a aquela cabeçona na entrada do meu cú, encostou e ficou parado, eu contraia a bunda e sentia deu pau pulsando e ele não enfiava, aquilo estava sendo torturante, comecei a forçar a bunda para trás e ele começou a rir... Então a senhora quer dar o cú pro pedreiro? Quer ser enrrabada pelo negrão, né safada? Então pede, implora pra eu te fuder o rabo. Aquilo, apesar de humilhante, me deixou mais excitada ainda e eu, sem a menor vergonha, pedi... Ai meu preto gostoso me come a bunda, fode meu cuzinho, por favor. E ele enfiou aquela rola com força, eu senti uma dorzinha que logo foi substituída por uma sensação maravilhosa. Descobri o significado do termo... Cobertura! Pois eu estava ali, uma fêmea no cio sendo literalmente coberta por aquele macho. Seu corpo forte me cobria dos pés até a cabeça, a parte da frente de suas coxas encostadas na parte de trás das minhas, seu peito quente nas minhas costas, sua língua entrando na minha orelha, suas mãos me apertando as ancas e indo ate meus seios e aquele caralho duro, muito duro, do jeito que precisa ser, entrando e saindo do meu rabinho. Não sei quanto durou, não foi muito, mas eu gozei muito e o meu pedreiro roludo também... Depois ele desabou sobre mim e eu continuei coberta por aquele macho. Olhei para o relógio e vi que já eram quase meia-noite, acordei-o que meio que desmaiou em cima de mim, falei que ele precisava ir que meu marido logo chegaria, ele vestiu sua cueca e sua bermuda e fomos para a porta da cozinha, ele então me agarrou e me beijou de uma forma bem delicada e disse se poderíamos repetir aquilo, eu pedi discrição e que queria muito repetir, ele me deu um sorriso e disse pra que eu ficasse sossegada pois ele tinha experiência com gostosas carentes.

Hentai - Desenho Animado Japonês

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

videos curtos 2

video

Que delicadeza

Alta Qualidade

Que capacidade hein ?

História Picante 3

De uns tempos pra cá eu notava que meu marido se colocava muito nervoso quando passava uma mulher que levava o filho no ponto do ônibus da escola, ela passava e ele fazia de tudo pra subir a casa de novo me dizia esqueci a carteira ou qualquer coisa até que um dia cheguei à mulher falando com ele, mas não a peguei, pois não era meu estilo e aqui nos estados unidos eu iria presa, mas me deu uma raiva, pois a mulher era, mas branca que uma parede, era um pouco alta, os cabelos ruivos, mas ralinhos, e muito seca muito magrela mesmo não tinha nada nem atrás nem na frente, mas eu pensava nossa algo deve ter entre eles ou esta começando,então eu investiguei, fingi que iria pra casa de minha mãe dormir lá e na verdade eu ficaria dentro do close que da a visão completa da cama e da mesa do PC, tudo e sei que ele não me ia ver, pois a roupa dele esta no close de fora do quarto no do corredor.


Então eu fiz tudo que tinha que fazer e me coloquei lá dentro e fiquei a esperar olhando pelas brechas claro, mas ou menos na hora em que ele chega não sou boba de sofrer antes do tempo, então pra minha surpresa ele chegou e tomou banho deve ter comido e ficou dormido e quando ele dorme nada o desperta nada mesmo!

Quando ouvi os roncos sai fui à ponta dos pés comi algo fiz pipi e voltei pra lá, a vontade de descobrir algo era tão grande e peguei um lençol e deitei lá no close de novo. Na manha o despertador tocou, ele levantou como sempre tomou banho se arrumou não sei nem se tomou café, mas saiu e pra minha surpresa que já havia pensado que nada passaria escuto a chave na porta corro de novo para o close e escuto vozes e risos, e meu coração a mil eu achava que não iria agüentar de tanta raiva, mas eu também gostava, pois quando imaginava eu ficava toda molhadinha e me tocava sempre. Pensando nele com outras, mas também me dava um certo ciúme. Ele entrou no quarto com ela e disse a minha esposa foi pra casa da mãe dela pode vir usar o PC, pelo papo vi que não tinham nada antes e ali que começou era só atração mesmo, ela sentou na cadeira do PC e ele do lado na cama e conversando com ela, e via que ela estava com um top branco e uma calca larga de exercício, ele sentou e papo vai e vem ela safada disse não sei como sua esposa te deixa sozinho, nossa eu nunca faria isso!

Ainda era venenosa a cobra puta, e vi que a mão do meu marido começou a tocar a perna dela sobre a calça e alisar-la e pegou puxou ela colocou em pé e ele tava sentado na cama, começou a beijar a barriga dela que ficava a mostra, e ela puxava o cabelo dele acariciava ele levantou o top dela os pitinhos pequenos pareciam dois limões com o bico rosadinho e durinho, ele apertava os dois biquinhos com forca sentou ela na perna dela e começou a mamar um e a apertar o outro biquinho e a outra, mas por cima da calca esfregando a buceta dela que respirava cm muita forca e não falavam nada, depois de um tempinho assim ele alevantou e tirou as calcas dela e a sentou-se à mesa do PC e ele sentou na cadeira e a calcinha pequenina dela que mal tapava a bucetinha deixou ele louco ele abriu as pernas dela e colocou no ombro dele e puxou a calcinha pro lado e começou a passar a língua primeiro na virilha e depois fez um fio dental de frente e passava na testinha e nas rachas e depois se agüentar, mas abaixou a calcinha que bucetinha perfeita ele caiu de boca naquela buceta peludinha e pequenina e chupava com gosto ela gritava rebola na língua dele ele apertava os biquinhos do peitinho dela às vezes ia pro buraquinho metia a lingüinha e tocava o clitóris ela estava louca de tesão ele pegou ela no colo levou pra cama deitou ele a colocou sentada na cara dele e chupava e parecia que ela também, pois ela gritava e rebola na boca do meu macho e eu molhadinha não podia fazer nada pra não me descobrirem ali, eu estava cheia de tesão e ódio, e via que ele a mamava com gosto, depois ela desceu tirou a calcas dele a cuca com muita fome e com toda a gula meteu aquele pau grosso não muito grande, mas grosso na boca e o mamou com gula cheia de vontade e lambia e acariciava os ovos e ele começou a dizer em espanhol pra ela, pois ele e espano, que chupara tudo que era ela uma puta que mamava muito gostoso, que ele estava adorando a boquinha dela, e ela lambia a cabecinha e tocava punheta ao mesmo tempo mamava e pediu pra ela por a bucetinha na cara dele de novo e fizeram um meia-nove ele lambia a buceta e enfiava o dedo no cú dela e a puta gemia e gritava e ela chupava ele até que ela deu um gemido ma forte e ele parou e ele não gozou colocou ela em cima da vara dele posicionou ela bem na rola dele e ela saltava como louca e os peitinhos durinhos nem se moviam ele mordi os lambi os ela não parava e ele apertava aqueles peitinhos e abria a bucetinha dele pra ver-la melhor e tocava no clitóris dela, ela mexia bem gostoso,confesso que até eu estava com tesão por ela ao que ela não era bonita,mas era boa de cama e tinha uma bucetinha de sonho e aqueles movimentos loucos pararam e ele a colocou virada de bundinha pra cara dele e a segurava na cintura e a fazia galopar e fez aquela puta arde de tanto caralho que ele meteu ali.e depois a colocou de frente ajoelhou na cama segurou e abriu as duas pernas dela no alto e meteu a rola com muita forca ela já estava que não agüentava devia ter vindo varias vezes mas ele nada e socava duro aquela magrela putinha e ele de uma só tirou e só vi leite voando e jogou na testinha dela nos peitos e ela passava a mão e chupava tudinho depois eles se abraçam não vi rolar nada de beijos amorosos ficaram deitados conversando sobre a foda e ele acariciando a bucetinha dela ,descansam ela se limpou se vestiu e teve que ir e ele também pois tinha que trabalhar mas antes tomou um banho e ajeitou as coisas pra eu não ver e se foi também e eu ali fiquei na maior seca, sai dali me toquei uma bem gostosa aproveitando a lembrança.

História Picante 2

Do lado de casa tenho uma vizinha gostosa, ela tem cabelos negros, mais ou menos de alta, tem uns peitos que dá vontade de mamar neles direto e uma entrada bem feita que dê pra ver devido aos shorts colados que ela usa. Sempre fomos muito amigos mais com o passar do tempo nossa relação foi ficando mais intima, ou seja, batíamos papo sobre tudo, inclusive sexo. Segundo ela era virgem e eu acreditava, porque ela era muito inexperiente no assunto, e uma das coisas que ela queria saber é como um cara bate punheta. Eu falei pra ela que ao vivo era melhor ela ver, então meio que com medo ela aceitou o pedido que eu fiz pra que no dia seguinte ela viesse até em casa novamente pra ela acabar com a sua curiosidade.

No dia seguinte, meus pais como de costume sempre vão trabalhar e só voltam à noite. Por volta das duas horas da tarde, liguei pra Visinha e disse que a barra tava limpa e que ela já podia vir. Ligeiramente ela chegou e percebi que ela tava com cara de medo, talvez porque ela sabia que ia poder perder o cabaço depois do que eu ia fazer. Então fomos até meu quarto, sentei na cama e ela sentou numa cadeira bem na minha frente. Meu pau já tava furando o short, então tirei ele e minha rola ficou amostra, ela ficou atordoada com o que viu meu pau tava latejando de prazer por aquela gata. Perguntei se ela tava preparada pra ver como um cara bate uma punheta, ela disse que sim. Então me encostei na cama, levantei meu braço esquerdo e comecei a bater com o direito. Eu comecei a gemer bem baixinho, batia com muita força e já tava começando a ficar suado, Visinha gostou tanto que olhava pra mim com um olhar de satisfação e ao mesmo tempo muito prazer. Não demorou muito gozei, jorrou gala pra todo canto inclusive no rosto da Visinha, porque ela ficou bem na minha frente sentada. Ela começou a sentir a consistência da minha gala em sua cara e depois começou a lamber a minha gala que estava na sua mão. Ela dizia que nunca havia sentido gosto de gala e que a minha por ser a 1º era muito gostosa. Como fiz um favor pra ela perguntei se ela poderia fazer um favor pra mim, ela perguntou qual era, eu perguntei se eu poderia ser o primeiro a tirar o cabaço dela. Ela disse que há tempos ela esperava um momento assim, e que tinha que fazer com um cara que ela confiasse e que ela sentisse prazer só de ver. Então ela disse que eu era a pessoa que ela esperava e tirou a dúvida totalmente quando bati punheta pra ela. A gente se deitou na cama, começamos a nos beijar loucamente, meu pau já tava duro de novo e ela enlouqueceu quando ele encostou na sua perna. Comecei a tirar à roupa dela, 1º a camiseta, depois o short deixando a mostra sua buceta numa mini-calcinha, tirei seu sutiã e comecei a mamar aqueles peitos durinhos de moça, ela gemia de tesão, logo apos tirei sua calcinha e comecei a acariciar sua buceta, meti o dedo e ela deu uns gritinhos de garota safada e depois meti a língua naquele grelo maravilhoso, ela ficou doida, se batia pra todo lado só de tesão, em alguns minutos ela já tava gozando uma gosma muito suculenta na minha boca. Agora era minha vez, ela começou a me lamber e pra minha surpresa ela lambeu ate o meu sovaco acredita? Eu até fiquei, meu que com nojo, mas percebi que ela queria um sexo selvagem. Pedi pra ela começar a chupar meu pau e ela mandou ver, começou a ficar mais alucinado do que já tava, não agüentei muito e gozei na boca dela, derramava gala pelos cantos da boca dela. Assim que me refiz novamente disse a ela que já tava na hora de tirar o cabaço dela, ela meio que com medo disse aquele sim meio que com receio, mas eu disse que ia ser carinhoso com ela (que mentira barata). Sentei no meio da cama de pau duro já se camisinha (sexo seguro) e mandei-a encaixar a buceta dela devagar até minha rola entrar toda. Ela foi devagar, começou a entrar a cabeça, ela disse que tava doendo e eu disse pra ela botar todo de uma vez pra não doer mais. Ela ouviu meu conselho e encaixou sua buceta no meu pau, então botei ela pra baixo de mim e comecei aquele vai e vem bem devagar ela se reclamava que meu pau era grosso e grande e ela não ia agüentar, e eu disse que faz parte da 1º vez pras mulheres, não tem como não doer. Não demorei muito comecei a meter minha rola com força e ela gritava e eu sentia que o cabaço dela tava quase se rompendo. Fui indo mais rápido em cima dela como um cachorro louco, até que senti o cabaço dela se rasgando, é como se meu pau fizesse um "TIC" na buceta dela. Depois disso ainda com o pau dentro dela, nos beijamos e disse que adorei ser o 1º cara dela, então tirei o pau devagar da buceta dela, a camisinha ficou melada de sangue. Perguntei se Visinha estava bem e ela disse que nunca havia sentido tanto prazer na vida como fuder, se reclamou um pouco da dor mais ela disse que teve um orgasmo gostoso no final. Ela colocou sua roupa e pediu pra que eu batesse uma novamente pra ela ver. Eu na mesma hora disse que sim, peguei meu pau e mandei ver... Em um minuto e meio já estava jorrando gala do meu pau, ela delirava olhando. Daquele dia em diante começamos a fuder sempre que meus pais não estavam em casa.

História Picante 1

Bem moro num prédio na zona sul, onde temos uma quadra de tênis onde eu todas as manhas de sábado eu jogo com amigos. Um dia eu estava jogando com um carinha, novato no prédio e muito gostoso. Moreno alto forte e pernas grossas, uma delicia de homem. Estávamos jogando até que a chuva caiu bem forte, e continuamos a jogar. Ele estava com uma tanguinha preta onde seu mastro ficava bem exposto. Eu estava de mini-blusa e uma sinhá rodada branca, daquelas de jogar tênis. Eu estava sem sutiã, e com uma calcinha enfiando na bunda. A chuva nos molhou inteiramente colando minha mini-blusa nos seios deixando à vista. Eu estava morrendo de tesão por aquele gostosão. E eu estava louca pra perder a virgindade. Quando ele jogou a bola no canto da quadra, eu fingi ter caído e machucado a perna. Até que aquele gostosão me colocou nos seus braços me dizendo que ia me levar para seu apê para cuidar de mim. Entramos no elevador. E derrepente, eu pedi a ele pra me soltar. Fiquei de pé e virei de costas paraele provocando um pouco. De repente ele pára o elevador e começa a chegar atrás de mim esfregando em minha bunda aquele cacetão. Eu até subia na parede do elevador de tanto tesão. Até que ele me virou de uma só vez. Tapou a minha boca com a mão e mandou eu ficar caladinha. Eu apenas consenti com a cabeça; Ele começou a me beijar o corpo inteiro.Rasgou minha mini-blusa e começou a devorar meus seios. Chupava e mordiscava os biquinhos eu empurrava a cabeça dele para o meu seio. Levantou minha saia e começou a me chupar eu comecei a gritar de tesão. Ele então me tapou a boca e me levou para seu apartamento. Chegando lá ele me deixou peladinha em seus braços. Me pegou no colo e me levou até o banheiro, para tomarmos um banho. Ele me ensaboava inteiramente, eu estava tão excitada q não conseguia nem tocar nele. Safadamente ele deixou o sabonete cair e mandou que eu pegasse. Quando me abaixei ele me puxou pelo braço e colocou seu pênis na minha boca. Eu não sabia como fazer ele foi me dando uns tapinhas no rosto e fui deixando. Ele me puxou pelos cabelos e enterrou toda sua rola na minha goela. Eu até engasguei. Fiquei sem ar; depois ele me pegou pelo braço com força e me levou até o seu quarto. Sentou numa cadeira e ordenou que eu o chupasse de novo. Agora ele me jogou na sua cama e me chupou vorazmente até eu gozar na sua língua. Aí, ele veio me pegou no colo e se deitou mandou eu cavalgar em cima do pau dele. Eu ia subindo e descendo devagar, pois eu era virgem eu estava louquinha. Ele me mandava rebolar, mas eu não conseguia, ai, ele me virou de costas, mandou eu ficar de quatro, prontamente eu fiquei, ele foi roçando seu caralho na minha bucetinha te eu implorar para ser penetrada. De repente ele enfiou tudo de uma vez. Grudou em meus ombros e eu desfalecia de tanto prazer. Ele me puxava pelos cabelos e gritava me chamando de putinha de safada. Ele deu uma pausa. Me disse essas palavras. AGORA VOU COMER SEU CUZINHO. EU virei de uma vez e dei-lhe uma tapa na cara dele. Disse que isso nunca eu iria fazer. Isso o irritou. Nos seus olhos eu via a raiva dele e fiquei com medo. Ele me puxou pelos cabelos e mandou eu ficar de quatro de novo. Mas eu me contorcia. Ele então pegou uma algema e colocou em meus braços. Eu fiquei imóvel colocou também sua tanga em minha boca pra eu não gritar. Pegou a facha da bandeira do Vasco time que ele torce e colocou em meus olhos. Pronto eu não via nada não podia gritar e ainda estava amarrada. Ele então pegou dois travesseiros e colocou debaixo da minha barriga. Minha bundinha ficou empinada pra ele. Ele me dava tapas fortes e gritava sai agora sua puta sem vergonha. Ele calou e sentou-se alisando minha bunda com sua mão; ele ficou me alisando acho que por uns cinco minutos. Meu cuzinho tava apertado q não passava nem agulha. Ele sentou em cima de mim, arregaçou minhas nádegas com as duas mãos e enfiou o seu pênis inteiro na minha bunda eu rangi os dentes e meus olhos saíram lagrimas de tanta dor, mas com muito tesão também. Depois de uns dez minutos me fudendo o cuzinho, ele me desamarrou, tirou a venda dos meus olhos destapou minha boca e mandou que eu ficasse de joelhos; colocou sua rola entre meus seios e começou um vai e vem eu não tava entendo nada. Quando ele estava quase gozando puxou meu cabelo colocou sua rola na minha boca e gozou todinho dentro de mim... Hoje faz um mês que isso aconteceu e até hoje meu cuzinho está doendo, mas estou louquinha pra dar pra ele de novo.

As Gostosas